Economia

Presidente da Fecomércio fala sobre duplicação da BR-116

Luiz Carlos Bohn ressaltou a prioridade da obra, que segundo ele é essencial para todos os gaúchos
15/05/2019 - 10h:53min - Fonte:

O presidente do Presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn, falou em reportagem de um jornal impresso da capital sobre a obra de duplicação da BR-116 e definiu a mesma como "Uma obra para todos os gaúchos". Confira a nota na íntegra:

"É comum observarmos disputas entre lideranças e políticos de diferentes regiões do Estado por emendas e espaço no orçamento público federal. Sem entrar no mérito da questão "pacto federativo", são disputas saudáveis e legítimas, pois envolvem a conquista de recursos para melhorar os serviços e a infraestrutura disponibilizados à população dessas regiões.

Defendemos, contudo, que a duplicação da BR-116 Sul, entre Porto Alegre e Rio Grande, tem vários motivos para estar acima dessas disputas. A conclusão dessas obras, que já se arrastam por anos, seria uma conquista para o Estado, não para uma região.

A infraestrutura de transportes é um pilar do crescimento e do desenvolvimento econômico. Rapidez, segurança e redução de custos no fluxo de mercadorias e pessoas é fundamental para dar eficiência à economia. Permite que consigamos produzir mais, mais rápido e, com isso, aumentar a geração de riqueza, renda e empregos.

E, há muitas décadas, o crescimento da economia gaúcha tem sido limitado pelas deficiências de suas condições de infraestrutura. A BR-116 possui importância especial nesse sentido, devido ao tamanho de sua influência sobre a produtividade de nossa economia. A rodovia conecta as regiões metropolitanas ao Porto de Rio Grande, um dos principais do país. Mesmo sem a duplicação e com todas as outras restrições de acesso, o porto movimentou US$ 25 bilhões em mercadorias em 2018, o que equivale a um quinto do PIB estadual. Além disso, como rota principal entre as regiões mais populosas do Estado e cidades de fronteira, representa uma abrangência muito grande para o fluxo de pessoas.

O volume está relacionado a outro custo incalculável da falta de duplicação. Apenas em 2018, 20 vidas foram perdidas e 271 pessoas foram feridas nos quase 300 acidentes ocorridos no trecho da rodovia entre Porto Alegre e Pelotas.

Chega a ser triste ver que precisamos nos mobilizar tanto para realizar algo tão elementar e de necessidade tão evidente. Para a Fecomércio-RS, entretanto, é inaceitável que, com toda a carga tributária que é imposta à população gaúcha, em pleno ano de 2019, a BR-116 não seja totalmente duplicada. Nós vamos continuar insistindo nessa causa, exigindo a finalização da obra e contribuindo com todos os meios ao nosso alcance para isso."

deixe seu comentário