Mundo

NASA divulga fotos mais próximas já registradas da superfície do Sol

Novas imagens revelaram a presença de pequenas chamas na superfície do astro; fenômeno pode ajudar em estudos sobre a atmosfera solar; veja fotos e vídeo
16/07/2020 - 15h:57min - Fonte: Olhar Digital

National Aeronautics and Space Administration (NASA) e a Agência Espacial Europeia (ESA) publicaram nesta quinta-feira (16) as imagens mais próximas já capturadas da superfície do Sol. Realizados pela sonda Solar Orbiter (SolO), os registros surpreenderam cientistas ao revelarem um fenômeno até então desconhecido: pequenas chamas na superfície da estrela que os pesquisadores batizaram de "campfires" e "nanoflares" (fogueiras e nano chamas, em tradução livre). 

Essas pequenas chamas são milhões ou até mesmo bilhões de vezes menores e menos intensas do que erupções massivas que ocorrem periodicamente no Sol. Emboras as origens do novo fenômeno ainda sejam desconhecidas, cientistas da NASA e da ESA acreditam que a descoberta pode ajudar astrônomos a aprofundar estudos sobre a atmosfera solar, também conhecida como Corona.

mosaico de imagens EUI, mostrando fogueiras

Registros capturados pela Sonda SolO. As setas assinalam as pequenas chamas detectadas pelos cientistas. Imagem: ESA/Nasa

"Esses registros incríveis vão ajudar cientistas a estudarem as camadas atmosféricas do Sol, o que é importante para o entendimento de como isso afeta o clima [espacial] próximo da Terra e em todo o Sistema Solar.", afirmou Holly Gilbert, cientista do Centro de Voos Espaciais Goddard, da Nasa, em nota publicada no site da agência.

Os pesquisadores observaram que as chamas detectadas pela Solar Orbiter aparentemente não ocorrem em locais próximos a manchas solares ou em regiões de intensa atividade solar. Como lembra o The Verge, as explosões solares são associadas ao aparecimento de manchas escuras na superfície da estrela, que causam oscilações no campo magnético do astro e liberam raios de energia para fora da atmosfera. 

O próximo passo para investigar o fenômeno inédito é medir a temperatura das chamas com a ferramenta de imagem espectral SPICE, equipada na Solar Orbiter. "Aguardamos ansiosamente nosso próximo conjunto de dados", afirma Frédéric Auchère, pesquisador principal das operações do SPICE no Instituto de Astrofísica Espacial em Orsay, França. "A esperança é detectar nanoflares e quantificar o papel [deles] no aquecimento coronal".

Missão

Chegar a esse ponto não foi uma tarefa simples. O novo coronavírus forçou o controle da missão no Centro Europeu de Operações Espaciais (ESOC), em Darmstadt, na Alemanha, a fechar completamente por mais de uma semana. Durante o comissionamento, período em que cada instrumento é amplamente testado, a equipe do ESOC foi reduzida a uma equipe de esqueletos. Todo o pessoal, exceto os essenciais, trabalhava em casa. 

"A pandemia exigiu que realizássemos operações críticas remotamente - a primeira vez que fizemos isso", disse Russell Howard, pesquisador principal de um dos leitores de imagens do Solar Orbiter. 

Mas a equipe se adaptou , preparando-se para um encontro inesperado com as caudas de íons e poeira do cometa ATLAS nos dias 1 e 6 de junho, respectivamente. A sonda concluiu o comissionamento bem a tempo de seu primeiro passe solar próximo, em 15 de junho. Enquanto voava a 48 milhões de milhas do Sol, todos os 10 instrumentos ligavam, e o Solar Orbiter tirou as fotos mais próximas do Sol até hoje. ( Outras naves espaciais estavam mais próximas, mas nenhuma carregava imagens voltadas para o Sol.) 

O Solar Orbiter carrega seis instrumentos de imagem, cada um dos quais estuda um aspecto diferente do Sol. Normalmente, as primeiras imagens de uma espaçonave confirmam que os instrumentos estão funcionando; os cientistas não esperam novas descobertas deles. Mas o Imager Ultravioleta Extremo, ou EUI, no Solar Orbiter retornou dados sugerindo recursos solares nunca observados com tanto detalhe. 

O investigador principal David Berghmans, astrofísico do Observatório Real da Bélgica em Bruxelas, aponta o que ele chama de “fogueiras” pontilhando o Sol nas imagens da EUI. 

"As fogueiras de que falamos aqui são os sobrinhos de explosões solares, pelo menos um milhão, talvez um bilhão de vezes menores", disse Berghmans. "Ao olhar para as novas imagens EUI de alta resolução, elas estão literalmente em todos os lugares que olhamos."

deixe seu comentário